Vamos resolver aqui, rapidão!

Esse post nem é sobre tecnologia e sim sobre querer e fazer as coisas. Sobre boa vontade.

Erika Souza

Quando se há interesse de resolver, sempre é criado caminho e métodos para tal.

Ontem li um artigo da Justiça do Trabalho sobre uma audiência de conciliação feita pelo aplicativo WhatsApp. Eu disse: Puxa que mara! Pois sabemos o quanto a Justiça é lenta no nosso país. A tecnologia tá aí. Mas não seria suficiente se os juízes não tivessem interesse de usar. Eu sou super a favor da tecnologia agir de forma que realmente melhore e facilite a nossa vida. Outra coisa que eu observo é um discurso contra as tecnologias e isso não é coisa nova não. A tecnologia vai nos matar? Claro que vai! Sempre foi assim. Ou você acham que quando inventaram a pólvora, ela não era tecnologia de ponta?

O truque está em trazer a tecnologia a nosso favor e resolver as coisas com facilidade. Esse post nem é sobre tecnologia e sim sobre querer e fazer as coisas. Sobre boa vontade.

por-do-sol

Estudo de caso:

Estava eu com a mensalidade da faculdade atrasada e com o dinheiro para pagar. Então entrei em contato com a instituição para que me emitissem um boleto do dia, pois o meu estava vencido e não seria mais recebido pelo banco.

– Você precisa se dirigir até a instituição de ensino e solicitar a emissão na secretaria.
– Teria como enviar por email? Que eu já pagava pelo internet bank…
– IMPOSSÍVEL, a emissão só acontece no guichê.

Então gastei vinte minutos de carro, passei cinco minutos numa fila na faculdade, mais trinta e cinco minutos para chegar no banco, uma fila de uns quinze minutos pra quando eu chegar no caixa eles dizerem: Não recebemos esse boleto aqui. A linda jovem da secretaria disse que receberia em QUALQUER BANCO. Nesse momento eu fiquei com toda raiva que um ser humano pode ficar e disse uma sequencia de palavrões mentais. Respira fundo. Havia em mim uma vontade de resolver aquele problema que era meu, afinal eu que tinha atrasado a mensalidade. Liguei pra instituição, contei o ocorrido e a resposta foi:
– Ah, só recebe em Banco tal.
– Mas na minha cidade/região não existe agencias desse banco, como faço então?
– Então, terá que aguardar até o dia tal para solicitar novamente, pois nesse caso específico a única forma seria pagar em banco tal.
Meu povo, eu tava querendo pagar, com o dinheiro na mão e o meu credor tava botando boneco pra receber. Ta vendo que se um devedor meu ligar dizendo: “Erika, tô aqui com teu dinheiro”  eu vou buscar na mesma hora. Vou demais! Havia o meu desejo de resolver, porém não era esse pensamento da instituição.

Conclusão

Ter todos os aplicativos que facilitam sua vida na palma da mão, não te faz um escravo digital e sim alguém que pode curtir com tranquilidade o pôr do sol pois ganhou um tempinho extra por evitar uma viagem desnecessária.

Isso vale também para aquelas pessoas que desistem de tentar conhecer outras pessoas, sair, estudar ou até concorrer a uma oportunidade de trabalho pelo irracional sentimento que pode dar errado.

Há tempos que eu sempre compro os ingressos do cinema pelo site de vendas de ingresso, pois eu prefiro pagar uma taxa de R$1,87 e poder sair de casa tranquilamente, sabendo que não passarei trinta minutos numa fila. Sério, não nasci para filas. Esse exemplo do cinema vale também para o outro lado. Com o mínimo de boa vontade você pode se organizar pra assistir aquele filme que você tanto queria, mesmo depois de um corrido e atribulado dia.

Eu sou daquelas pessoas que quando penso em um evento em outra cidade em poucos minutos eu vejo preço de hotel, quantas horas de carro, preço de passagem de ônibus ou avião, se na cidade tem UBER e o que posso reservar imediatamente agora com um clique.

Com a tecnologia (sério, esse post não é sobre tecnologia) temos acesso a muita ajuda. Porém tem uma galera que prefere colocar defeitos a usufruir das suas benesses.

Vamos aumentar a conversa? Comente este artigo.